Síndrome da “Morte”

Não é a primeira vez que leio isso: “Agora é o fim da ferramenta tal”.

Acho que isso é um mal, ou melhor, uma síndrome, de todo entusiasta de novas tecnologias, tanto que até eu já saí com uma dessas:

Mas depois de ler alguns comentários, como esse, acho que vale pensar um pouco antes de afirmar que o Orkut morreu.

Mas a discussão da vez paira sobre o Flash e o novo produto da Adobe, o Edge. Bom o Edge é legal pra caramba, faz animações em HTML5/CSS3/Javascript.

– “Então quer dizer que posso ter bolinhas pulando no meu site, sem precisar do Flash, nem fazer em um GIF de 1 Mb?”

Isso mesmo! Você pode por bolinhas no seu site saltitando! Claro que estou forçando, e você pode fazer muito mais, todos já leram e viram exemplos, a maioria criada pelo Google, sobre as capacidades do HTML5 e todos já vivem hoje todas as façanhas possíveis com o Javascript, grande parte graças ao JQuery e outras bibliotecas do gênero. Mas afirmar que a Adobe está dando um tiro no pé, e que o Flash morreu, acho um pouco demais.

Defendo isso pois o Flash vem ao longo do tempo se reinventando e sendo aprimorado, já tivemos 2 upgrades significativos de linguagem, sem falar dos upgrades de segurança e renderização do Flash Player.

A utilização do Flash está diminuindo na web, mas isso não quer dizer que a quantidade de projetos em Flash está diminuindo. Atualmente o flash é utilizado para:

– Desenvolvimento de aplicações móveis, já que exporta para Android, iPhone/iPad e Playbook;
– Desenvolvimento de aplicações desktop (windows/mac/linux) com, o cada vez melhor, Adobe AIR;
– Desenvolvimento de jogos e aplicações para feiras em telas multitoque;

E creio que ele tem muito o que crescer neste mercado, já que os esforços atuais da esquipe do Flash/Flash Player estão no Molehil, que trás um poder 3D muito maior ao Flash, com ótimo nível de renderização e quantidade de polígonos simultâneos, por usufruir da aceleração de hardware de vídeo, além de várias melhorias no Flash Player 11.

Então antes de afirmar que a tecnologia vai morrer, é bom ter uma visão de todos os ângulos. O Unity3D não vai morrer porque o UDK e CryEngine estão se tornando grátis, o JAVA não vai matar o C#, ou vice-versa, e o HTML5 não vai matar o Flash.

 

29 maneiras de manter a criatividade

Um vídeo com dicas simples e interessantes pra quem não quer perder o timing.

Dica do @sammynewton que viu aqui.

Uma imagem vale por mil palavras: até para o Google!

O Google busca imagem por cor, por tamanho, por traço… Só falta fazer pesquisa através de uma imagem né?

Agora faz. Ontem a empresa anunciou que todos podemos buscar referências para uma imagem fazendo o upload da mesma ou incorporando a URL. Com a migração do Google Googles para os desktops, os usuários ganham este recurso e também a busca por voz.

Busca por imagem:

Busca por voz:

Dica: Em escala (muito) menor, existe o serviço TinEye que busca imagens semelhantes à que você fez upload, em tamanhos diferentes.

Fonte: O @Denver leu na Info.

Novos comerciais do Samsung Galaxy S II

Dá uma olhada nessas propagandas do Samsung Galaxy S II, que demonstra algumas funcionalidades do aparelho no dia a dia.

Eu vi lá no Android Blog e achei interessante compartilhar com vocês.

Geração JPEG

Muito se falou sobre a Geração Y, até que a WGSN chegou com um estudo sobre macrotendências e apresentou a Geração JPEG, com uma visão muito atual sobre consumo.

Blogs e websites são um fluxo contínuo de consciência. Agarre o momentâneo como inspiração para o design.

A dica veio da @jululi e a gente recomenda!

Revistas Interativas

Muitos departamentos de mídia, criação, planejamento, etc tem uma ideia bem definida de como fazer um anúncio para revista. Dependendo de qual lado a página vai estar, se será dupla ou única e por aí vai. Uma fórmula de como criar para o formato.

Mas, mesmo com essa receita criada com anos de história, dá pra ser interativo? Faz sentido? Faz sentido sim! Felipe Neto!

Dois exemplo bem legais de como fazer isso são:

A Leo Burnett de Mumbai criou para a marca de sabão em pó Tide, anúncios em que você remove as manchas das roupas branquinhas dos personagens.

Outro case recente é o test-drive impresso que a Volkswagen da Noruega criou. Com um aplicativo de realidade aumentada, você percorria a rua que estava no anúncio e conhecia os novos itens que a marca estava incorporando em alguns modelos.

Integrar anúncios de revista com a tecnologia de outras mídias, como o celular, está ficando cada vez mais interessante, como nesse exemplo da seguradora Belga Axa, onde o anúncio só é “completo” com o uso de um aplicativo.

Bem legal.

Heads Up Challenge | Interatividade e Educação

Mais legal que interagir com a marca e criar um laço com ela, é saber que essa interação tem um propósito.

A agência americana RED criou um hotsite para a Toyota em parceria com a Discovery Education para educar jovens motoristas sobre os perigos de se distrair no trânsito.

Os desafios apresentados são rotineiros para muita gente. Responder um SMS, trocar a estação de rádio, ou simplesmente identificar um amigo na rua.

Depois de ver qual é a distração da vez e passar por um aperto danado olhando para sinalização, controlando o carro, e ainda se preocupando em completar o desafio no tempo, o site apresenta as suas estatísticas no desafio e as estatísticas do trânsito, com dados bem claros sobre como pequenas distrações, consideradas inofensivas, podem ter um grande impacto.

A ação ainda se completa com um quiz para testar seus conhecimentos de trânsito.

Dizem que é melhor prevenir do que remediar, e melhor ainda quando a prevenção constrói uma forte experiência com o consumidor.

Via

Carnaval 2.0

O carnaval chegou ao fim em 2011. Se você não curte as músicas que rolam nessa época de folia, divirta-se com as marchinhas de carnaval mais nerds e legais desse mundo.

“O vídeo no Youtube não sobe maaais…”

“…e pro Explorer eu não vou voltar!”

=)

Vi no Garotas Nerds

Memolane cria timeline de postagens das redes sociais

Você conhece o Memolane?

O Memolane é um serviço que cria uma linha do tempo com suas atualizações nas redes sociais. Basta você se cadastrar (coisa rápida) e integrar os serviços que deseja incluir na timeline: facebook, twitter, foursquare, vimeo, youtube, myspace, flickr, picasa, lastfm, instagram, tripit (?) e até RSS feed.

Memolane > Adicionando serviços

Basta clicar em “Add+” e logar no serviço para que ele puxe as informações. Você pode escolher a privacidade dos dados de cada rede. Você pode tornar seus tuítes públicos na timeline, mas proteger os lugares onde deu checkin no foursquare.

Memolane > Visualizando timeline

Se você tornar público, todo mundo vê. Se você compartilhar apenas com amigos, apenas pessoas cadastradas no Memolane vão poder visualizar – só a título de informação.

Memolane > Ampliando tuíte

Besteirinha por besteirinha, prefiro aquele infográfico legal da ÍonZ que eu postei há algum tempo, mas o Memolane é legal pra matar a curiosidade.

Interatividade pode ser simples

Algumas vezes, quando pensamos em interatividade das marcas com o consumidor, pensamos em coisas complicadas que envolvem sistemas, muitos profissionais e algumas noites de trabalho. Mas não precisa ser sempre assim.

Conhecida por vender móveis que se encaixam com a sua necessidade, a IKEA já fez várias ações de ambient como as caixas com ambientes inteiros no interior e pontos de ônibus decorados. Na Hungria, a Laboratory Ideas criou uma ação muito bacana e muito simples para a marca.

Em um site você faz o download de duas pastas, uma contendo quatro opções de wallpapers em várias resoluções e outra com alguns ícones de pastas, caixas e potes.

É só colocar o papel de parede no seu computador e criar algumas pastas com os ícones personalizados.

IKEA Folders

Pronto, a IKEA te ajudou a organizar o ambiente do seu computador, talvez o nosso segundo lar.

Simples, né? =)

Vi no I Believe in Advertising